Pular para o conteúdo principal

Quando você ama sua profissão, mas ela não te ama


A frase do título resume bem a relação de amor não correspondido de muitas mulheres com suas profissões. Em especial daquelas que ignoraram os conselhos de parentes para cursarem Direito ou Medicina e seguiram o tortuoso caminho daqueles que defendem o ideal de trabalhar por prazer. O problema todo é quando o prazer no trabalho não ajuda a conquistar o prazer fora dele. Sorte das advogadas e médicas que além de fazerem uma boa escolha financeira ainda amam o que fazem.

Em nome do amor à profissão, muitas vezes as mulheres têm que abdicar de outros amores que podem afetar o limite orçamentário mensal. Aquela viagem internacional nas férias (ou até mesmo uma interestadual), aquele sapato lindo (que infelizmente é lançamento), o cinema no fim de semana (ainda mais sem desconto para estudante), o curso de dança, a aula de pilates, e os produtos mais gostosos (e caros) do supermercado como Nutella, são bons exemplos de coisas que amenizam o gosto amargo da rotina e seus imprevistos desagradáveis, mas que estão fora de cogitação. Um sapato novo pode representar futilidade para algumas (que podem não ser fúteis com sapatos, mas são capazes de pagar R$ 500 por um show de rock...atenção, mulheres, tudo é relativo!), mas para outras é uma injeção de autoestima necessária para enfrentar a vida. Pois bem, quando você está prestes a cair em tentação, uma voz interior diz: “Terra chamando...”, ou seria: “cartão de crédito gritando!”. Então você volta a si e substitui a viagem internacional pelo passeio pelo litoral gaúcho, o sapato lindo por uma blusinha com tarja amarela de promoção, o cinema por um filme no You Tube, o curso, a aula e a Nutella por.... nada (porque até dieta é cara).

Afora esses deleites consumistas, as mulheres mal pagas do mercado também acabam abdicando de investimentos. Aquela pós-graduação na sua área (porque você é cabeça-dura e insiste em investir ainda mais no seu curso mesmo quando ele ainda não lhe trouxe retorno financeiro) não cabe no bolso. E aí, você, que já não vê perspectiva de crescimento profissional, vê menos ainda, afinal, não tem condições financeiras de investir em seu aprimoramento. E que tal aqueles dilemas: faço pós ou pago o carro? Vou estudar no exterior ou dou entrada no apê? Tenho um filho ou espero me estabilizar? A resposta é quase sempre: “nenhum deles, no máximo um filho de quatro patas, como um gatinho”.

Infelizmente essa é a realidade de muitas mulheres hoje em dia. Elas conquistaram seu espaço no mercado de trabalho, mas não conseguem impulsionar suas carreiras e ganham pouco para consolidar seus planos e saciar seus desejos. É duro admitir, mas nós ainda estamos longe da igualdade salarial com os homens, por mais que tenhamos exemplos de grandes empresárias e até uma presidenta no Brasil. Isso é a minoria. E aí, o que acontece? O diploma de graduação fica pendurado na parede de casa e muitas mudam de área em busca de remunerações mais justas. Já vi designer virar promoter, jornalista virar confeiteira, psicóloga virar auxiliar administrativo, farmacêutica virar vendedora, administradora virar corretora de imóveis, publicitária virar professora de inglês e RP virar garçonete.

Pesquisas apontam as mulheres como melhores líderes, ótimas funcionárias e com melhor capacidade de comunicação. Se as mulheres são tão boas, por que ainda trabalham mais, trazem mais resultados e ganham menos que os homens? Enquanto esperamos o mercado se dar conta do nosso valor, que tal começarmos a fomentar uma reflexão coletiva? Você, educadora física, enfermeira, veterinária, sabe o quanto vale? Você sabe onde quer chegar? Até onde vai sua ambição? Será que você está pronta para dizer “não” quando lhe oferecerem uma remuneração abaixo do que você merece? Afinal, até quando as mulheres vão ficar sem negociar sua carreira? Está na hora de amar e ser amada!

Texto publicado na minha coluna no site Negócio Feminino

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo passa, o tempo voa...

"Não deixe nada pra depois, não deixe o tempo passar. Não deixe nada pra semana que vem, porque semana que vem, pode nem chegar." A Pitty falou tudo né? Quem sabe o dia de amanhã? Deus? Talvez. Não sou exemplo de organização, mas sempre procuro diminuir ao máximo minhas pendências. Só durmo se estou caindo de sono mesmo. Pois se ainda sou capaz de pensar, ainda sou capaz de fazer o que tenho pra fazer. As olheiras que se danem. Nem as disfarço (tenho preguiça).

Carrego sempre comigo um bloquinho de notas (cafonérrimo, a propósito). Nele vão tarefas que tenho que cumprir, trabalhos a fazer, lembretes, dicas de filmes e livros que recebo e, acima de tudo, idéias, muitas idéias. Deixar pra depois faz com que eu fique sobrecarregada, me estresse e acabe desistindo de muitas coisas. Por isso, me dedico muito aos meus "deveres" que eu mesma me imponho e vou riscando eles do bloquinho conforme vou cumprindo-os. Posso ter preguiça de lavar louça, mas meus textos, trabalhos …

Textos para Capricho (2 em 1)

Moda verão...qual a tendência de corpo pra próxima estação?O verão vem chegando e a as academias vão superlotando. Dois meses antes de ir pra praia, guris e gurias vão em busca do corpo perfeito. Meio difícil, pois o corpo perfeito não se atinge em dois meses e, às vezes, nem em anos. Talvez com muito silicone, suplemento, musculação e principalmente dedicação, mas não da noite pro dia. Isso se a moda for ser bombado (a) ou saradérrimo(a), é claro.Cuidado, o conceito de corpo perfeito varia em média a cada cinco anos. Não é só roupa que vira tendência, corpo também. Que tal se um ano após colocar seu silicone a moda vira seios pequenos, como nos tempos em que Cláudia Raia, Adriane Galisteu e Carolina Ferraz eram as tops? Nada muito improvável, afinal, no ano das mulheres samambaias, frutas e por aí vai, gostosas como Juliana Paes e Débora Secco estão investindo na próxima tendência: ser magérrima. Atualmente, estão pesando em torno de 47, 50 quilos. Corpo e moda tem tudo a ver. Ningué…

Entrevista: Carol Teixeira

LOUCA PELA VIDA
“Pessoas mesmo são os loucos, os que são loucos por viver, loucos por falar, loucos por serem salvos (...)”. Essa é uma parte de um poema de Jack Kerouac que Carol Teixeira tem estampado na parede de sua sala. É outra maneira que Carol encontrou de transbordar, como se não bastassem as frases tatuadas em seu corpo, escritas em seu blog e em seus livros. Carol é assim, transparente. Seu corpo, seu jeito, sua casa, seus livros, tudo é ela. A escritora e filósofa de 28 anos é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” e “Verdades & Mentiras”. É colunista da Cool Magazine e dos sites http://www.lpm.com.br/ e http://www.queb.com.br/ e editora da nova Revista do Beco. Já escreveu peças de teatro, fez programas de rádio, participou de um reallity show, viajou pelo mundo, foi dona de bar, ama a noite, Nietzche, Caio Fernando Abreu, Fred e, acima de tudo, a vida.
Tu já passaste por três cursos: Jornalismo, Direito e Filosofia. Desististe dos dois primeiros seguindo firme com…